Borboleta


Foto: Gpmenga

BORBOLETA
(Rita Costa – 01.04.08 – R. Janeiro/RJ)

Ah! sou incorrigível.
Mas como me abster
de todas essas matizes,
sons e movimentos?

Não vivo em estado de vigília,
mas nunca deixo de estranhar
essas horas que limitam a vida.
Então me permito relances
e não me livro do espanto,
até que fique estabelecido
nas palavras
o sentir dessa linguagem poética,
pois diante dos ensaios líricos
estou me lixando para as regras.
Ah! Saio mesmo do casulo,
sou total devaneio,...
sussurro versos e sorrio.

19 comentário(s):

Paulo Pinheiro disse...

Cara borboleta, que bom que iniciaste!

Miguel Barroso disse...

até os casulos se metamorfoseiam...

A SEIVA

Delon disse...

sussurro que voa e acalenta o ouvido.

Carlos disse...

muito bom ........:)

DuDu Magalhães disse...

E quando sai do casulo senti a liberdade de perto... percebe que o mundo é cada vez mais de Deus do que dos seres humanos... a Inercia do tempo... os lamentos ao vento simplesmente não existem....

belo poema...

da um confere no meu blog..

abrass


http://www.visaocontraria.blogspot.com/

Cadinho RoCo disse...

Ria, ria, mas ria mesmo com todo vigor do seu riso Rita do Rio com todo seu rito.
Cadinho RoCo

Amorim disse...

Siplesmente leia! Torne-se parte so texto,Observe a genialidade com que se reflete nessas linhas...

"A arara
é uma ave rara
pois o homem não pára
de ir ao mato caçá-la
para a pôr na sala
em cima de um poleiro
onde ela fica o dia inteiro
fazendo escarcéu
porque já não pode voar pelo céu.


E se o homem não pára
de caçar arara,
hoje uma ave rara,
ou a arara some
ou então muda seu nome
para arrara".




Obrigado Pelo Comentario. Idem!!

Cristina Dabés disse...

muito obrigada pelo comentário
o seu blog tbm esta lindo, o meu falta arrumar muito ainda, se tiver tempo depois visite este meumundonalua.blogspot.com bjossssss
eu adoro poesias vc lhe add aos meus favoritos

Ramon Alcântara disse...

casulo vida existência aberto.

abz

Яoьεяτα disse...

Meu Deus qtos blogs.
Onde que a gente deixa recado? rs
Bjs

Menino Yuri disse...

Olá, boa tarde, com licença... Trouxe, para adoçar essa visita, um prato delicioso, preparado por Vinicius de Moraes, um dos poetas-gourmets do Pratododia Poesia:

"Brancas
Azuis
Amarelas
E pretas
Brincam
Na luz
As belas
Borboletas

Borboletas brancas
São alegres e francas.

Borboletas azuis
Gostam muito de luz.

As amarelinhas
São tão bonitinhas!

E as pretas, então...
Oh, que escuridão!"

E você, que borboleta é?
Sucesso, e bom apetite!

Яoьεяτα disse...

Oi Rita,
não era nenhum recado especifico não.
Eu vi que vc visitou o Futebol e vim retribuir, mas qdo cheguei vi tantos blogs que não soube aonde escrever, rs
Bjs

Яoьεяτα disse...

Mas, por falar nisso, vc gosta de escrever sobre futebol? rs
me responda no futeboldeminisaia.blogspot.com
P.S.: não precisa autorizar esse recado não.
Bjs

Clítia disse...

Gosto da paz e alegria do voar das borboletas
bjs

Dete disse...

Rita você escreve muito bem, parabéns, beijos

André L. Soares disse...

Minha linda poetisa...


Eu,...
que sempre viajo
em todas as cores
de tuas letras;
e ganho os céus
por tuas asas,
pois é tua paz
que me completa,
sinto-me assim,...
livre tal uma borboleta,
sorridente igual criança,
e às vezes até
poeta.
.
.
.



Beijussssssssss!!!

Rita Costa disse...

"...mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor...
que tem que ser vivido até a última gota...
sem nenhum medo... não mata."

(Clarice Lispector)

Cláudia Gonçalves disse...

Vi seu link no blog da Mary e fiquei curiosa... é um nome forte, alma de poesia.
E valeu a pena! Seu blog está lindo (quantos links legais!) e as poesias então...
Parabéns... você é inspiradora!

Vou te linkar. Pode né?

Bjo, Claudia

Cris disse...

Rita,

Lindo o transformar da vida, o seguir em frente o viver! Linda a forma como colocastes a natureza pulsando.

Beijocas

0

Em defesa dos Direitos Autorais, a Lei Federal 9.610/98 proíbe expressamente: a) uso comercial dos textos, sem autorização do autor; b) alteração ou criação de obras derivadas; c) exposição dos textos, sem a citação do nome do autor.